PIS é a sigla para Programa de Integração Social, uma contribuição tributária de caráter social.

O principal objetivo financiar o pagamento de benefícios sociais como o seguro-desemprego, abono e participação na receita dos órgãos e entidades, tanto para os trabalhadores de empresas públicas, como privadas.

O PIS foi instituído através da Lei Complementar nº 7/1970 que era destinado ao trabalhadores de empresas privadas que eram administrados pela Consolidação das Leis do Trabalho. O PIS é administrado pelo Ministério da Fazenda e pago pela Caixa Econômica Federal.

Há muitas semelhanças com outra contribuição como o COFINS, sendo que ambas é que existem dois regimes diferentes, o cumulativo e o não cumulativo.

No regime cumulativo as alíquotas de PIS são de 0,65%, enquanto no não cumulativo são de 1,65%.

Essa contribuição, o PIS também está relacionado com o o PASEP (Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público) e por várias é possível ver as siglas aparecem em conjunto: PIS/PASEP.

Anualmente de acordo com a situação de cada trabalhador, as pessoas inscritas no PIS recebem um abono salarial, que equivale a um salário mínimo vigente. Para receber, além de estar cadastrado, é preciso cumprir alguns outros requisitos.