O conceito de montar um Bar atualmente é bem variado, pois existem diversos tipos de Bares e muitos estão se especializando em públicos específicos.

Portanto, nós definimos o Bar como um negócio que oferece um ambiente agradável onde os amigos, colegas de trabalho e familiares se encontram, conversam, tomam bebidas, acompanhadas de petiscos.

Os bares e sua variações estão presentes em todas as cidades e em todos os lugares, mudando suas características de acordo com os hábitos e cultura do estado ou região onde está localizado.

Podemos afirmar que o Bar atua como ambiente social integrador, tornando-se ponto de referência e algumas vezes conhecido por seus clientes famosos ou personalidades, bem como por seu cardápio ou especialidades gastronômicas.

Cada vez mais atrativos são oferecidos pelo bar, como ambiente decorados de acordo com o publico alvo, o som, o prazer de ter pessoas agradáveis com quem conversar, a possibilidade de descontração, músicas em telões, TVs ou ainda ao vivo, jogos entre outras diversões.

O ramos de Bares e Restaurantes oferecem, juntamente com a construção civil, são responsáveis pela criação de um grande número de empregos.

No Brasil este negócio é responsável por gerar cerca de 450 mil novas oportunidades de emprego por ano, segundo dados de 2015.

Outro fator importante desse segmento é a atração de turistas, nos grandes centros urbanos é uma das principais opções de lazer da população.

É importante que o serviço prestado por um bar seja concebido de forma profissional, requerendo uma avaliação objetiva sobre a forma de atuação, público alvo, localização, cardápio de bebidas e comidas a serem oferecidas, bem como as expectativas comerciais que esse tipo de empreendimento requer.

O ideal para realizar o planejamento de como montar um Bar, e assim, minimizar os riscos é realização de um Plano de Negócios.

Mercado de Atuação

Abrir o seu negócio nessa área de Bares é fazer de um mercado bastante promissor por oferecer um item de consumo que abrange todos os segmentos da população.

Assim, é possível escolher entre vários modelos de negócio, do boteco ao bar temático.

Esse mercado de bares é enorme e tem boas perspectiva a curto, médio e longo prazo devido ao aumento do poder aquisitivo da população.

No Brasil, montar um Bar, segundo dados da Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), significa que 50% dos empreendimentos fecham as portas em dois anos.

Como já foi dito no tópico anterior, a realização de um Plano de Negócios é fundamental para fugir dessa estatística, caso não consiga fazer um você mesmo, solicitar a ajuda de um profissional, nós da Ceribelli Contabilidade podemos auxilia-lo nessa etapa inicial do seu negócio sobre montar um Bar.

É um negócio que apresenta uma concorrência acirrada, o que exige uma dose grande de criatividade.

Observar o mercado local e identificar o nicho de clientes para o qual o estabelecimento estará direcionado é fundamental para a sua sobrevivência.

Vários fatores contribuem para esse quadro, demandando criatividade e bom faro de negócios do empreendedor na hora de montar um Bar.

O mercado de bares e restaurantes é versátil exigindo mudanças constantes para adaptação às novidades, e os clientes estão cada dia mais exigentes.

Outro fator importante em montar um Bar é notar que ociosidade nesse tipo de negócio pode ser alta (de até 50%), nos dias de baixo movimento, dependendo da localização e proposta de valor do bar, o que exige várias iniciativas do empresário na gestão financeira e na divulgação de eventos e promoções.

Sendo um ponto de encontro, os bares são muito procurados em dias de jogos importantes, em especial finais de campeonato e Copa do Mundo.

Relacionamos as principais referências para você que está procurando saber mais sobre como montar um bar:

ABRASEL (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes) https://abrasel.com.br

FBHA (Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação)http://www.fbha.com.br

SEBRAE (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas)http://www.sebrae.com.br

ESBRE (Escola de Bares e Restaurantes)http://www.esbre.com.br

ABREC (Associação de Bares, Restaurantes e Eventos Culinários de Barreiro)https://abrecbarreiro.com.br

Escolha a Localização

Um dos pontos principais na hora de montar um bar e a escolha de uma boa localização, sendo aquela que está “no caminho” dos clientes, perto de algum ponto de atração de pessoas, e que favoreça o acesso ao estabelecimento com o menor grau de dificuldade.

Inicie a escolha do local através de uma pesquisa na região que pretende atuar, não se esquecendo de definir também o tipo de público a ser atendido, identificando suas características principais, tais como: poder aquisitivo, hábitos, cultura, gostos entre outros que julgar importante na sua avaliação.

A proximidade de estabelecimentos escolares para jovens e adultos, como as faculdades ou universidades e cursinhos pré vestibulares, além de zonas comerciais ou concentração de escritórios traz, excelentes resultados no momento de montar um Bar.

Neste ramo estar próximo a concorrência pode ser uma boa opção. Frequentemente, em grandes cidades existem regiões apenas com bares e estar em meio deles pode ser um fator de sucesso.

Isto não significa que não pode montar um bar afastado da concorrência e obter sucesso.

O bairro deve ter todas as condições urbanas que favorecem o fluxo de clientes, tais como: ruas que facilitam o acesso, facilidades para estacionamento nas proximidades, infraestrutura com água, energia elétrica, recolhimento de lixo, transportes urbanos, policiamento, serviços bancários e outros.

O empresário deve procurar a prefeitura municipal para montar um Bar em conformidade com a lei de zoneamento, e assim, certificar da possibilidade de exploração na região de interesse.

Além disso, deve ser pesquisado o comportamento da vizinhança em relação a tolerância a ruídos e se certificar se a cidade possui Lei do Silêncio para estabelecimentos comerciais no momento de montar um Bar.

Mesmo que as regras de zoneamento permitam a abertura em determinado local, as associações organizadas podem criar obstáculos para o funcionamento de um empreendimento que produz barulho e movimentação de pessoas no período noturno.

Para empreendimentos populares é importante observar se existe nas redondezas: ponto de ônibus, metro ou outros transportes coletivos, ponto de táxi e outros estabelecimentos que atraem clientes

A localização ideal precisa unir boa capacidade de conquistar o cliente x custo. Evite uma localização que comprometa um % maior do valor estipulado no Plano de Negócios com a locação do ponto comercial.

Exigências Legais e Específicas

É necessário neste momento de montar um Bar, contratar um contador ou empresa de contabilidade para legalizar seu negócio nos seguintes órgãos:

  • Junta Comercial (Estadual);
  • Receita Federal – CNPJ (Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica);
  • Secretaria Estadual de Fazenda (SEFAZ);
  • Prefeitura do Município (Alvará de Funcionamento);
  • Enquadramento na Entidade Sindical Patronal;
  • Cadastramento junto à Caixa Econômica Federal no sistema “Conectividade Social – INSS/FGTS”.
  • Corpo de Bombeiros Militar.
  • Vigilância Sanitária

Além do cumprimento às exigências acima é importante consultar a administração municipal sobre a legislação municipal sobre montar um Bar.

São as Prefeituras que determinam onde se pode estacionar, controlam os níveis de ruído, permitem ou não mesas nas calçadas, fiscalizam o cumprimento das normas de higiene e das questões de segurança como portas de emergência, porta corta-fogo e extintores, sinalização de saídas, isolamento acústico, área externa para lixo, acesso ao estabelecimento e banheiros especiais para portadores de deficiências, etc.

Em 12/05/2017 entrou em vigor a nova Lei da Gorjeta que modifica alguns pontos do artigo 457 da CLT (Consolidação da Leis Trabalhistas) regulando a divisão das gorjetas entre profissionais de serviços – garçons e equipe – de bares, restaurantes e hotéis.

A principal mudança está na alteração do percentual da gorjeta destinado a pagar encargos trabalhistas e uma maior clareza sobre como a divisão deve ser realizada entre os funcionários.

A lei define que a gorjeta é um pagamento dado de forma espontânea pelo cliente ao empregado e também aquilo que a empresa cobra, como serviço ou adicional, para ser destinado aos empregados. Ou seja, a lei não torna obrigatória o pagamento da gorjeta, que continua sendo opcional, não estabelecendo um percentual mínimo de cobrança, ficando livre o estabelecimento para indicar uma taxa de serviço que seja menor ou maior que 10%.

Se houver execução musical deve-se atentar para a lei 9610/98. É de responsabilidade do ECAD (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição), a arrecadação de direitos autorais pela execução pública de músicas nacionais e estrangeiras.

A Lei federal 9.294 de 1996 (Dispõe sobre as restrições ao uso e à propaganda de produtos fumígeros, bebidas alcoólicas, medicamentos, terapias e defensivos agrícolas, nos termos do § 4° do art. 220 da Constituição Federal) proíbe o fumo em todo ambiente público e fechado, é válida em todo o território nacional e é complementada por legislação estadual, e às vezes municipal, específica sobre o tema. Deve-se consultar a associação de bares do local para maiores detalhes e esclarecimentos.

Mais informações podem ser acessadas pelo site da ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária)http://portalarquivos.saude.gov.br/campanhas/leiantifumo/index.html

Segue abaixo as leis específicas em alguns estados:

SP (São Paulo) http://www.leiantifumo.sp.gov.br

RJ (Rio de Janeiro)

MG (Minas Gerais)http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/page/1604-regulamentacao-do-tabagismo

A lei 8069 de 13/07/1990 (Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências) dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente. O artigo 81 estabelece a proibição da venda de bebidas alcoólicas à criança ou adolescente.

Agregado às leis federais, os estados e municípios dispõem de legislação específica a respeito da proibição à venda de bebidas alcoólicas a menores, além de regulamentarem a permanência em locais que disponham de jogos e outras atividades não recomendadas a crianças e adolescentes que deverão ser observadas para montar um Bar.

Você poderá ainda, consultar o SEBRAE (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) para maiores informações sobre montar um Bar.

Além do processo de registro legal da empresa, o empreendedor deverá atentar ainda a algumas legislações específicas, conforme seguem:

  • Resolução RDC nº. 216, de 15 de setembro de 2004, da ANVISA, a qual determina que restaurantes, lanchonetes, padarias, cantinas, bufês, comissarias, confeitarias, delicatéssens, pastelarias, cozinhas industriais e institucionais, rotisserias e congêneres adotem procedimentos para se adequarem ao Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação;
  • As Boas Práticas são um conjunto de normas que abrangem uma série de requisitos, permitindo a produção dos alimentos com segurança. Quem descumprir o regulamento estará sujeito a multas que podem chegar a R$ 2,5 milhões;
  • O Regulamento Técnico constante da resolução da ANVISA prevê procedimentos que devem ser observados nas instalações, equipamentos, móveis e utensílios da empresa; higienização das instalações; controle de pragas; abastecimento de água; manejo dos resíduos; cuidados a serem observados pelos manipuladores dos alimentos, como usar cabelos presos e protegidos por redes; cuidados com ingredientes e embalagens; preparo do alimento e armazenamento;
  • Essa resolução visa estabelecer procedimentos de Boas Práticas para serviços de alimentação a fim de garantir as condições higiênico-sanitárias nos processos de preparação dos alimentos.
  • Entende-se por serviços de alimentação locais que executam: manipulação, preparação, fracionamento, armazenamento, distribuição, transporte, exposição à venda e entrega de alimentos preparados ao consumo;
  • Resolução RDC nº. 218, de 29 de julho de 2005. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Higiênico-Sanitários para Manipulação de Alimentos e Bebidas Preparados com Vegetais;
  • Lei nº. 7.967/89. Dispõe sobre o valor das multas por infração à legislação sanitária, altera a Lei nº. 6.437, de 20 de agosto de 1977, e dá outras providências;
  • Portaria SVS/MS nº. 326/97. Aprova o Regulamento Técnico. Condições Higiênico- Sanitárias e de Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos.

As legislações abaixo são assuntos correlacionados direta ou indiretamente sobre a produção de alimentos:

  • Decreto-Lei nº. 986, de 21 de outubro de 1969 – Institui normas básicas sobre alimentos;
  • Lei nº. 6.360, de 23 de setembro de 1976 – Dispõe sobre a Vigilância Sanitária a que ficam sujeitos os Medicamentos, as Drogas, os Insumos Farmacêuticos e Correlatos, Cosméticos, Saneantes e Outros Produtos, e dá outras Providências;
  • Portaria nº. 15, de 23 de agosto de 1988 – Determina que o registro de produtos saneantes domissanitários com finalidade antimicrobiana seja procedido de acordo com as normas regulamentares;
  • Portaria nº. 1.428, de 26 de novembro de 1993 – Aprova, na forma dos textos anexos, o “Regulamento Técnico para Inspeção Sanitária de Alimentos”, as “Diretrizes para o Estabelecimento de Boas Práticas de Produção e de Prestação de Serviços na Área de Alimentos” e o “Regulamento Técnico para o Estabelecimento de Padrão de Identidade e Qualidade (PIQ´s) para Serviços e Produtos na Área de Alimentos”. Determina que os estabelecimentos relacionados à área de alimentos adotem, sob responsabilidade técnica, as suas próprias Boas Práticas de Produção e/ou Prestação de Serviços, seus Programas de Qualidade, e atendam aos PIQ\’s para Produtos e Serviços na Área de Alimentos. ;
  • Portaria nº. 152, de 26 de fevereiro de 1999 – Considerando a necessidade e a importância de estabelecer regulamento específico referente ao registro de produtos destinados à desinfecção de água para o consumo humano e de produtos algicidas e fungicidas para piscinas ;
  • Portaria nº. 3.523, de 28 de agosto de 1998 – Regulamento Técnico contendo medidas básicas referentes aos procedimentos de verificação visual do estado de limpeza, remoção de sujidades por métodos físicos e manutenção do estado de integridade e eficiência de todos os componentes dos sistemas de climatização, para garantir a Qualidade do Ar de Interiores e prevenção de riscos à saúde dos ocupantes de ambientes climatizados;
  • Resolução nº. 105, de 19 de maio de 1999 – Regulamentos Técnicos: Disposições Gerais para Embalagens e Equipamentos Plásticos em contato com Alimentos e seus Anexos;
  • Resolução nº. 211, de 18 de junho de 1999 – Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação;
  • Resolução RDC nº. 18, de 29 de fevereiro de 2000 – Regulamento Técnico de Procedimentos Higiênico-Sanitários para Manipulação de Alimentos e Bebidas Preparados com Vegetais;
  • Resolução RDC nº. 277, de 16 de abril de 2001;
  • Resolução RDC nº. 91, de 11 de maio de 2001 – Regulamento Técnico – Critérios Gerais e Classificação de Materiais para Embalagens e Equipamentos ern Contato com Alimentos constante do Anexo desta Resolução ;
  • Resolução RE nº. 9, de 16 de janeiro de 2003 – Orientação Técnica elaborada por Grupo Técnico Assessor, sobre Padrões Referenciais de Qualidade do Ar Interior, em ambientes climatizados artificialmente de uso público e coletivo ;
  • Resolução nº. 518, de 25 de março de 2004 – Estabelece as responsabilidades por parte de quem produz a água, a quem cabe o exercício do controle de qualidade da água e das autoridades sanitárias, a quem cabe a missão de “vigilância da qualidade da água” para consumo humano.
  • Biblioteca de Alimentos – Atualizada em 02/09/2019

Boas práticas para serviços de alimentação

RDC 216/2004 – Regulamento técnico de boas práticas para serviços de alimentação

Alterada por: RDC 52/2014

Atos relacionados: RDC 10/2014 – Dispõe sobre os critérios para a categorização dos serviços de alimentação.

RDC 43/2015 – Prestação de serviços de alimentação em eventos de massa.

RDC 49/2013 – Dispõe sobre a regularização para o exercício de atividade de interesse sanitário do microempreendedor individual, do empreendimento familiar rural e do empreendimento econômico solidário Documento relacionado: Cartilha – boas práticas para serviços de alimentação.

Estrutura

A estrutura para montar um bar pode ser bastante simples, basta um balcão, uma área ao ar livre ou um salão para a colocação das mesas, banheiros, local para o estoque e a área da cozinha.

Quando o empreendedor optar por atender um tipo de clientela mais exigente, faz-se necessário um projeto arquitetônico e temático mais bem elaborado, o que pode resultar numa estrutura mais complexa. Nesse caso, é fundamental a consulta a um arquiteto ou escritório de arquitetura, dando preferência para aqueles profissionais que já tenham experiência nesse ramos de atividades, ou seja, bares e restaurantes.

Mesmo com a simplicidade, o ambiente deve possuir uma identidade visual de acordo com a proposta do seu negócio.

Locais como o balcão e o salão para servir bebidas, devem ser localizados em locais agradáveis e confortáveis para a permanência dos clientes e também facilitar o trabalho dos garçons.

Balcão

O balcão deve merecer atenção especial e deve estar em local bem escolhido e de acesso imediato. Nem sempre é aconselhável ter que atravessar o salão para chegar ao bar. O balcão deve ter comprimento, altura e largura que atendam ao conforto e à quantidade do público-alvo pretendido. O tampo pode ser de madeira, granito ou mármore, pois é recomendável que seja de material de fácil limpeza.

O espaço interior precisa ter amplitude suficiente para permitir a movimentação dos atendentes e/ou barman/bartenders.

As bebidas mais especiais, ou seja, aqueles com valores mais altos, merecem um lugar de destaque nas prateleiras. Alguns tipo de garrafas de bebidas possuem rótulos que por si só servem de decoração e despertam o desejo de degustá-las.

Não podemos esquecer da iluminação, que deverá ser adequada e deve potencializar o poder de atração e contribuir para dar uma impressão de amplitude e beleza. Outro diferencial serão as luzes minúsculas colocadas atrás das garrafas ressaltam a cor dos líquidos nelas contidos.

A bancada onde ficam os copos, as geladeiras e a prateleira onde ficam as bebidas devem estar acessíveis para não dificultar o serviço quando a casa estiver cheia.

Os bancos ou banquinhos devem ser giratórios e projetados em função da altura do balcão, de forma que o cliente possa ficar sentado, com a maior parte do tronco acima do nível do tampo para ter acesso ao copo ou aos petiscos com boa visibilidade.

Deve-se cuidar para que os bancos sejam confortáveis e resistentes ao uso.

Salão

O espaço mais nobre e amplo deve ser destinado aos clientes. Deve-se ter um espaço que acomode confortavelmente os clientes, para cada 100 m², sem colunas ou obstáculos, cabem aproximadamente 18 mesas.

Em estabelecimentos mais populares, o espaço entre as mesas pode ser menor perdendo um pouco de conforto e do trânsito dos funcionários para servir as mesas.

Não se pode esquecer do acesso para os portadores de necessidades especiais.

Entendemos que o local mais adequado para o caixa será a sua localização próxima à saída, facilitando assim o fluxo de saída dos clientes.

A música ao vivo poderá ser um diferencial e exige um espaço complementar para comportar os músicos e não atrapalhar a movimentação dos garçons e principalmente, dos clientes.

Banheiros

Este ponto pode gerar descontentamento por parte dos seus clientes, caso não tenha o dimensionamento correto de acordo com o tamanho do local, um local mal planejado pode gerar fila e insatisfação.

Outro ponto importante, é estarem localizados próximos do salão ou área principal. Devem ser bem sinalizados, amplos, arejados, limpos e confortáveis.

Não há exigência legal para a quantidade de banheiros em bares, recomenda-se pelo menos um masculino e um feminino, além do banheiro dos funcionários.

É importante atentar para o fácil acesso para as PPD (Pessoa Portadora de Deficiência) e PNE (Portador de Necessidade Especial)

Depósito

Local utilizado para guarda do estoque de alimentos, bebidas, utensílios, objetos de reserva para o bar, e peças de reposição.

Todos os cuidados devem ser tomados para manter o local livre do acesso de insetos, baratas, roedores e qualquer outra ameaça externa.

Cozinha

Na cozinha são elaborados os pratos do cardápio.

É necessário, antes da execução do projeto, consultar a legislação Municipal e Estadual porque ela é diferente em cada Estado ou Município.

Estacionamento

É bastante requerido pelos clientes. Pode-se manter convênios com estacionamentos próximos.

Duas características podem tornar o seu negócio mais competitivo no mercado: criação de bar de nicho ou bar temático.

A criação de bares específicos e dentro de pequenos nichos, atrai normalmente público-alvo menor, tornando os ganhos limitados. Podemos citar os seguintes tipos de bares de nicho: boteco de bairro, bar de espetinho, bar gourmet, bar de luxo, bar de narguilé, bar roqueiro e motorcycle entre outros. Nesse caso, a estrutura do bar deve ser projetada pensando em atingir o público- alvo específico.

A temática do bar pode tornar o ambiente agradável e atrativo, podendo ser considerado um requisito competitivo.

Ao se falar em temática, refere-se a decoração, estilo e não necessariamente ao público-alvo em si.

Além disso a temática pode ser alterada facilmente, caso deseje. Como exemplo pode-se utilizar feriados e datas comemorativas como uma decoração provisória, como carnaval e dia dos namorados.

Em alguns casos, empresários optam por utilizar a temática como identidade do bar, é o caso de um pub, onde o ambiente e temática é preparado para trazer a sensação de estar em um verdadeiro pub antigo ou um bar country com estilo e músicas do gênero.

Pessoal

A quantidade de profissionais está relacionada ao porte do empreendimento. Normalmente contrata-se:

  • garçons;
  • cozinheiros;
  • barman;
  • auxiliares de limpeza.

Ao escolher esses profissionais, você deve ter cuidado. Lembre-se sempre que os seus funcionários são o cartão de visita do seu negócio e, portanto, devem ser bem escolhidos e, principalmente, bem treinados.

A pessoa responsável pelo caixa, por exemplo, deve ser de sua confiança, afinal, conhecerá seus resultados.

O mais importante é que os funcionários sejam treinados e qualificados, contribuindo decisivamente para que o bar seja realmente um local agradável e que os clientes valorizem o bom atendimento.

Cortesia, atenção, respeito, honestidade, são valores que o proprietário deve transmitir aos seus funcionários e zelar por sua manutenção.

Deverá ser fornecido uniforme e vestimentas adequadas ao tipo de estabelecimento e função desempenhada, bem como treinamento sobre noções básicas de higiene, atendimento e relacionamento com o público.

A qualificação dos colaboradores requer competências nas seguintes áreas:

Cozinha

Ter experiência e conhecimento de preparo dos pratos e petiscos constantes do cardápio, utilização dos equipamentos da cozinha (forno, fogão e outros), noções de higiene, além dos cuidados com a qualidade dos ingredientes e atenção aos prazos de validade.

Atendimento ao Cliente

Ter domínio razoável de etiqueta, saber informar sobre bebidas, conhecer os pratos e lanches, ter facilidade de relacionamento, respeito, atenção, urbanidade, bom humor, interesse pela satisfação das pessoas, discrição e controle emocional.

Quando o negócio começar a ganhar proporção e público, será necessário adaptar a estrutura de sua equipe para atender a nova demanda e fluxo de clientes, caso contrário, se o atendimento não for eficiente, provavelmente seus clientes deixarão de frequentar o seu bar.

É importante que o proprietário participe de seminários, congressos e cursos, para manter-se atualizado e sintonizado com as tendências do setor.

Os empregados devem participar de cursos sobre atendimento qualificado e outros que ampliem seus conhecimentos e habilidades.

Posteriormente, quando o seu negócio estiver consolidado, você poderá contratar também um gerente, um responsável por estoque, pelo marketing e diversos outros profissionais que o ajudarão a fazer o negócio crescer ainda mais.

O empreendedor deverá estar atento para a Convenção Coletiva do Sindicato dos Trabalhadores nessa área, utilizando-a como balizadora dos salários e orientadora da carga-horária de trabalho, evitando assim, consequências desagradáveis.

O SEBRAE (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) da sua região poderá ser consultado para aprofundar as orientações sobre o perfil do pessoal e treinamentos adequados.

Equipamentos

Para o salão e área interna do balcão serão necessários os seguintes móveis e equipamentos:

  • 01 computador;
  • 01 impressora;
  • 01 linha telefônica;
  • 01 impressora de cupom fiscal ou SAT (Sistema Autenticador e Transmissor de Cupons Fiscais Eletrônicos);
  • mesas, cadeiras, armários, de acordo com o dimensionamento das instalações;
  • prateleiras para bebidas;
  • gaveteiro para guardar dinheiro, cheques e tickets de cartões de débito e crédito;
  • equipamento para recebimento através de cartões de débito e crédito;
  • aparelho de TV;
  • cervejeira ou geladeira vertical especial para cerveja;
  • sistema de ar condicionado dimensionado de acordo com o tamanho do ambiente (opcional);
  • equipamento de som (opcional);
  • materiais de uso diário, tais como: talheres, pratos, copos, panelas, cinzeiros, etc.
  • banco, banquinhos e banquetas.

Móveis e equipamentos para a área de cozinha:

  • freezer horizontal;
  • geladeira;
  • fogão industrial;
  • balcão frigorífico;
  • chapa com aquecimento a gás;
  • exaustor;
  • filtro de água;
  • espremedor de frutas;
  • liquidificador;
  • estufa;
  • fritadeira elétrica;
  • panelas, assadeiras, etc;
  • forno de microondas;

Para o balcão:

  • coqueteleira ou shaker para preparar coquetéis batidos;
  • pinça de uso geral
  • dosadeira.

Para automação dos processos:

  • Smartphone para que os garçons lancem os pedidos
  • Impressora não fiscal no caixa para impressão de conta e documento fiscal
  • Roteador profissional para criação de ambiente wi-fi e disponibilização de conexão independente para os clientes.

Matéria Prima/Mercadoria

A gestão de estoques no varejo é a procura do constante equilíbrio entre a oferta e a demanda.

Este equilíbrio deve ser sistematicamente aferido através de, entre outros, os seguintes três importantes indicadores de desempenho:

Giro dos Estoques

O giro dos estoques é um indicador do número de vezes em que o capital investido em estoques é recuperado através das vendas.

Usualmente é medido em base anual e tem a característica de representar o que aconteceu no passado.

Obs.: Quanto maior for a freqüência de entregas dos fornecedores, logicamente em menores lotes, maior será o índice de giro dos estoques, também chamado de índice de rotação de estoques.

Cobertura dos Estoques

O índice de cobertura dos estoques é a indicação do período de tempo que o estoque, em determinado momento, consegue cobrir as vendas futuras, sem que haja suprimento.

Nível de Serviço ao Cliente

O indicador de nível de serviço ao cliente para o ambiente do varejo de pronta entrega, isto é, aquele segmento de negócio em que o cliente quer receber a mercadoria, ou serviço, imediatamente após a escolha, demonstra o número de oportunidades de venda que podem ter sido perdidas, pelo fato de não existir a mercadoria em estoque ou não se poder executar o serviço com prontidão.

Portanto, o estoque dos produtos deve ser mínimo, visando gerar o menor impacto na alocação de capital de giro.

O estoque mínimo deve ser calculado levando-se em conta o número de dias entre o pedido de compra e a entrega dos produtos na sede da empresa.

As matérias-prima utilizada no bar são as bebidas e os ingredientes para a composição de pratos para alimentação e petiscos:

As bebidas mais comuns são:

  • Cervejas;
  • Vinhos;
  • Wisky;
  • Vodka;
  • Energéticos;
  • Refrigerantes;
  • Aguardente de cana;
  • Rum;
  • Martini
  • Campari;
  • Chopp;
  • Sucos (inclusive naturais, o que pode incluir frutas e polpas);
  • Água com e sem gás.

Os petiscos precisam ser selecionados de acordo com o público-alvo a ser atendido, os mais comuns são:

  • Carnes variadas;
  • Batata frita;
  • Mandioca/Macaxeira/Aipim frita;
  • Bolinhos diversos;
  • Linguiças;
  • Salsichas;
  • Porções frias (Queijos, salame, copa, presunto);
  • Porções fritas (frango, bolinhos, peixes, pastel, quibe)

A opção de servir refeições dependerá da decisão do empreendedor, que deverá estar baseada em pesquisa junto à clientela potencial.

Organização do Processo Produtivo

Os processos de um bar podem ser divididos em:

Serviços de Recepção e Atendimento ao Cliente

É o primeiro contato com o cliente, como o garçom que entregam ao cliente o cardápio e o orientam sobre a escolha.

Os bares que adotam uma forma diferenciada de atendimento podem utilizar recepcionistas para esta atividade.

Já no caso do barman ou bartender cabe ainda a preparação das bebidas e coquetéis. Não havendo esse profissional, essas atividades serão exercidas por outro atendente no interior do balcão.

O serviço de atendimento ao cliente no salão é realizado pelos garçons e compreende todo o período de permanência no estabelecimento, desde a recepção até o pagamento da conta e saída do estabelecimento.

Serviço de Produção de Alimentos e Montagem dos Pratos

Etapa responsável pela preparação dos alimentos e a montagem dos pratos do cardápio.

Serviço Administrativo

É um serviços realizado pelo gerentes, ou seja, o controle das atividades produtivas do bar.

Geralmente essas funções são exercidas pelo proprietário e pessoas de sua confiança.

As atribuições são: pedidos de compras, pagamento de fornecedores e despesas em geral, podemos definir todas essa atividade como Gestão Financeira.

Haverá ainda outras atividades, como a orientação da organização do ambiente interno, gestão de pessoas e outras providências necessárias ao bom funcionamento do negócio.

Algumas atividades poderão, de acordo com a necessidade, serem terceirizadas, como por exemplo a Gestão Financeira.

Automação

Há uma boa oferta de sistemas para gerenciamento de bares, esses softwares possibilitam o controle dos estoques, lançamento das comandas e mesas, custo dos pratos, os itens mais vendidos do cardápio, demora no atendimento, média de clientes, cadastro e histórico de serviços prestados a cada cliente, serviço de mala direta para clientes e potenciais clientes, controle de estoque de produtos, cadastro de móveis e equipamentos, gerenciamento de serviços dos empregados, controle de pagamento das comissões, controle de contas a pagar e a receber, fornecedores, folha de pagamento, fluxo de caixa, fechamento de caixa, etc.

Existem ainda sistemas integrados com a utilização de tablet e smartphone que fazem o registro do pedido do cliente com saída para a cozinha, lançamento no caixa, registro contábil, cadastro do cliente, e baixa do estoque.

A utilização da informatização dos processos deverá ser avaliada pelo proprietário, considerando o porte do estabelecimento e a perspectiva de crescimento.

O nível de automação para um bar é praticamente imprescindível, já que a maioria das Secretarias de Fazenda Estaduais requerem que para estabelecimentos que vendam bebidas frias (cervejas e refrigerantes em geral) ou quentes (bebidas em dose), sejam enviadas no SINTEGRA de forma individualizado, item por item, pouco importando a opção tributária do estabelecimento.

Sendo assim faz-se necessário um software que controle individualmente os itens comercializados, em especial nas emissões de CUPOM FISCAL impressos nas ECF.

Canais de Distribuição

O canal de distribuição é o próprio bar.

Uma maneira de diversificar o canal de distribuição é implantando no seu bar o sistema de delivery, com a entrega de bebidas, petiscos e pequenas refeições no domicilio do cliente ou no local onde ele solicitar, proporcionando conforto e comodidade.

Para trabalhar com esse canal, importante manter o atendimento de qualidade e a agilidade.

A escolha do meio de transporte (moto, bicicleta, carro) deve ser considerado levando em conta a logística, distancia e produto a ser transportado, mantendo a eficiência no serviço de entrega.

Interessante delimitar uma área ou região onde seu negócio deseja atuar no sistema delivery para não comprometer a qualidade do serviço.

Relacionamos abaixo algumas opções disponíveis no mercado atualmente:

iFood https://www.ifood.com.br

Uber Eatshttps://www.ubereats.com/pt-BR/

Rappi Brasil https://www.rappi.com.br/

Investimento

O investimento médio para montar um bar de pequeno porte deverá girar em torno de R$ 15.000,00 a R$ 30.000,00. Estes valores são apenas estimativas e podem variar de acordo com o formato negócio pretendido, local de aquisição e fornecedores :

Equipamentos

  • Escritório
  • 01 microcomputador completo: R$2.000,00
  • 01 impressora: R$ 700,00
  • 01 impressora de cupom fiscal: R$ 2.000,00
  • software de gestão de bares e similares: R$ 1.000,00
  • Total: R$ 5.700,00

Salão

Será apresentado o valor médio por item individual, o empreendedor deverá fazer sua estimativa, tanto de espaço quanto de expectativa de atendimento de público ao mesmo tempo:

  • jogo de mesa de bar com 4 cadeiras: R$ 300,00
  • armários: R$ 5.000,00
  • prateleiras para bebidas: R$ 100,00
  • gaveteiro: R$ 150,00
  • TV 40 polegadas: R$: 2.000,00
  • DVD player: R$ 200,00
  • geladeira vertical especial para cerveja: R$ 3.000,00
  • estufas para salgados: R$ 700,00
  • ar condicionado 22.000BTU: R$ 3.500,00
  • equipamento de som: R$ 2.000,00
  • banquetas: R$ 100,00

Estima-se um investimento total para montar um bar em equipamentos da ordem de R$ 15 a 20 mil, ressaltando-se que este é um valor apenas para referência.

O proprietário pode optar por adquirir o mobiliário, ou parte dele, em loja de móveis usados, de acordo com o recurso financeiro que dispõe.

Os materiais de uso diário, tais como: talheres, pratos, copos, panelas, assadeiras, fogão, exaustor, liquidificador, microondas, etc, requerem um investimento adicional de R$ 7 a R$ 8 mil.

Será necessária também a aquisição de estoque inicial de matéria-prima, as quais serão utilizadas no processo de comercialização no bar.

Para esse tipo de aquisição não está computado nos valores acima, pois irá depender das opções de itens que serão produzidos e comercializados no bar.

Isso que deverá ser estruturado pelo empreendedor e um profissional que conheça profundamente do segmento.

Adequação do Imóvel

Para esse segmento empresarial o espaço para funcionamento do bar, poderá ser feito adaptação de uma casa ou imóvel comercial já existente e que tenha espaços amplos, ou ainda estruturar uma construção apropriada para instalação do bar, devendo tal investimento ser elaborado segundo as concepções do empreendedor. Importante verificar se o local é permitido para abertura deste tipo de comércio segundo a Prefeitura da Cidade.

Capital de Giro

Capital de giro é o montante de recursos financeiros que a empresa precisa manter para garantir fluidez dos ciclos de caixa. O capital de giro funciona com uma quantia imobilizada no caixa (inclusive banco) da empresa para suportar as oscilações de caixa.

O capital de giro é regulado pelos prazos praticados pela empresa, são eles: prazos médios recebidos de fornecedores (PMF); prazos médios de estocagem (PME) e prazos médios concedidos a clientes (PMCC).

Quanto maior o prazo concedido aos clientes e quanto maior o prazo de estocagem, maior será sua necessidade de capital de giro. Portanto, manter estoques mínimos regulados e saber o limite de prazo a conceder ao cliente pode melhorar muito a necessidade de imobilização de dinheiro em caixa.

Se o prazo médio recebido dos fornecedores de matéria-prima, mão- de-obra, aluguel, impostos e outros forem maiores que os prazos médios de estocagem somada ao prazo médio concedido ao cliente para pagamento dos produtos, a necessidade de capital de giro será positiva, ou seja, é necessária a manutenção de dinheiro disponível para suportar as oscilações de caixa. Neste caso um aumento de vendas implica também em um aumento de encaixe em capital de giro. Para tanto, o lucro apurado da empresa deve ser ao menos parcialmente reservado para complementar esta necessidade do caixa.

Se ocorrer o contrário, ou seja, os prazos recebidos dos fornecedores forem maiores que os prazos médios de estocagem e os prazos concedidos aos clientes para pagamento, a necessidade de capital de giro é negativa. Neste caso, deve-se atentar para quanto do dinheiro disponível em caixa é necessário para honrar compromissos de pagamentos futuros (fornecedores, impostos). Portanto, retiradas e imobilizações excessivas poderão fazer com que a empresa venha a ter problemas com seus pagamentos futuros.

Um fluxo de caixa, com previsão de saldos futuros de caixa deve ser implantado na empresa para a gestão competente da necessidade de capital de giro. Só assim as variações nas vendas e nos prazos praticados no mercado poderão ser geridas com precisão.

Capital de giro é um montante de recursos financeiros que a empresa precisa manter para garantir a dinâmica do seu processo de negócio.

O capital de giro precisa de controle permanente, pois tem a função de minimizar o impacto das mudanças no ambiente de negócios onde a empresa atua.

O desafio da gestão do capital de giro deve-se, principalmente, à ocorrência dos fatores a seguir:

  • Variação dos diversos custos absorvidos pela empresa;
  • Aumento de despesas financeiras;
  • Baixo volume de vendas;
  • Em caso de venda a prazo, ocorrência de inadimplência, apesar de que nesse segmento não é comum ter vendas a prazo;
  • Pagamento das parcelas de possíveis financiamentos, tanto em relação à aquisição de equipamentos quanto de mobiliário;
  • Altos níveis de estoques de matéria-prima;
  • Aumento de custos operacionais do bar.

O empreendedor deverá ter um controle orçamentário rígido de forma a não consumir recursos sem previsão.

O empresário deve evitar a retirada de valores além do pró-labore estipulado, pois no início, todo o recurso que entrar na empresa nela deverá permanecer, possibilitando o crescimento e a expansão do negócio.

Dessa forma, a empresa poderá alcançar mais rapidamente sua auto-sustentação, reduzindo as necessidades de capital de giro e agregando maior valor ao novo negócio.

O empreendedor deverá realizar um levantamento criterioso da necessidade de capital de giro que seu empreendimento irá requerer em um determinado período pré-definido, por exemplo, 90 dias. Com base nesse levantamento, deverá ser multiplicada essa necessidade de capital de giro para tantos quantos períodos similares entender que será necessário para suportar a movimentação operacional da empresa até que o negócio empresarial atinja sua auto-sustentação.

Nesse segmento, normalmente a necessidade de capital de giro é de nível médio e tenderá a variar na ordem de 35% a 65% do investimento total.

O empreendedor deverá buscar apoio junto ao SEBRAE para que seja prestado apoio consultivo na estruturação do novo negócio, devendo ser elaborado Plano de Negócio para conhecer as expectativas comerciais e operacionais desse empreendimento, o que irá reduzir substancialmente equívocos na implantação de um bar.

Existem linhas de crédito especiais para micro e pequenas empresas, como:

BNDES MPME Inovadorahttps://www.bndes.gov.br/wps/portal/site/home/financiamento/produto/BNDES-MPME-Inovadora

Banco do Povo Paulistahttp://www.bancodopovo.sp.gov.br/

Desenvolve SP – O Banco do Empreendedorhttps://www.desenvolvesp.com.br/

Custos

São todos os gastos realizados na produção de um bem ou serviço e que serão incorporados posteriormente no preço dos produtos ou serviços prestados, como: aluguel, água, luz, salários, honorários profissionais, despesas comerciais, insumos consumidos no processo de prestação e execução de serviços, depreciação de maquinário e instalações.

O cuidado na administração e redução de todos os custos envolvidos na compra, prestação e venda de serviços que compõem o negócio, indica que o empreendedor poderá ter sucesso ou insucesso, na medida em que encarar como ponto fundamental a redução de desperdícios, a compra pelo melhor preço e o controle de todas as despesas internas.

Quanto menores os custos para a prestação de um bom nível de serviço, maior a chance de sucessono resultado final do negócio.

Os custos mensais de um bar podem ser estimados considerando os itens e valores referenciais abaixo:

  • Salários, comissões (caso a remuneração de serviço de colaboradores seja feita com base em desempenho) e encargos: R$ 10.000,00;
  • Tributos, impostos, contribuições e taxas: R$ 1.000,00;
  • Aluguel, taxa de condomínio: O valor do aluguel é variável, dependerá da localização, condições e tamanho do imóvel;
  • Água, luz, telefone e acesso a internet: R$ 500,00;
  • Manutenção de software: R$ 200,00;
  • Produtos para higiene e limpeza da empresa e funcionários: R$ 500,00;
  • Recursos para manutenções corretivas e preventivas de maquinários e instalações: R$ 300,00;
  • Propaganda e publicidade da empresa: R$ 2.000,00.

O empreendedor deve primar pelo controle da prestação de serviços, de forma criteriosa, mantendo em níveis pré-estabelecidos no Plano de Negócio criado para montar um bar, as despesas e os custos, buscando alternativas para minimizar esses dois elementos, mas sem comprometer o nível de prestação de serviços.

Você poderá ainda, procurar o Sebrae mais próximo para obter mais informações e suporte na gestão dos custos do seu estabelecimento.

Diversificação e Agregação de Valor

Diversificar e Inovar são formas de agregar valor ao negócio no momento de montar um bar, criando assim, motivos para a constante atração de público, e consequentemente o aumento de faturamento e lucro do estabelecimento.

O negócio “bar” pode ser de vários tipos e tamanhos, atraindo públicos distintos e bem definidos, e portanto “inovar” aqui significa atender aos anseios de novidade compatíveis com as características do estabelecimento e do público alvo.

Acompanhar as tendências ditadas pela TV, novelas, filmes, e outras fontes de mudança de comportamento e hábitos, pode ser uma importante estratégia para manter o bar sempre com alguma novidade a espera dos seus clientes.

Seu bar pode ser simples, mas apesar da simplicidade, a identidade visual deve concordar com a proposta do seu negócio no momento de montar um bar.

Crie um nome de bar criativo e leve criatividade para as paredes, cadeiras e mesas.

Através do visual e qualidade você se destacará da concorrência.

Avaliar a concorrência e verificar os serviços, bebidas e comidas que estão sendo oferecidos, também é importante, seja para acompanhar algo realizado e que apresentou sucesso, seja para aproveitar que sua ideia ainda não foi executada e isso poderá ser uma vantagem a ser explorada.

Alguns bares tem como tema a “tradição”, os antigos bares famosos e seus quitutes tradicionais, e/ou seus clientes típicos não valorizam a “novidade”.

Neste caso, montar um bar poderá ser uma inovação que poderá vir pelo resgate de bebidas ou marcas antigas, receitas tradicionais com uma nova apresentação, ou mesmo por oferecer um serviço diferenciado.

O seu cardápio precisa ser tão bom quanto a bebida oferecida no seu bar, por isso capriche nas fotografias e descreva as bebidas oferecidas no cardápio.

Para aqueles outros, em que o cliente pede por novidade e acompanhamento das tendências, a oferta de drinques exóticos, a utilização de ingredientes não costumeiros na sua região, ou mesmo a mudança da decoração, podem ser estratégias que retenham a atenção do público.

Por que não criar um drinque com o nome da casa?

Ele poderá ser tornar o carro chefe do estabeliecimento.

A introdução de TVs por assinatura, com programação específica e da mesma temática que o bar, tem-se mostrado uma forma bastante eficiente para atrair clientes afinados com esse tipo de lugar.

Outra forma de inovação é a oferta de bebidas e comidas para consumo fora do ambiente do bar.

Em regiões com grande densidade de moradias, é comum as famílias comprarem os pratos tradicionais para consumo em casa. Ou em regiões com alta densidade de escritórios, os serviços de entrega tipo buffet ou rotisseria, também são uma forma de atender um público que, naquele momento, não estaria disponível.

Uma outra dica na hora de montar um Bar, é realizar parcerias com empresas de táxi ou aplicativos de transporte para a utilização de seus clientes, como a criação de cupons de descontos.

Pode citar alguns exemplos de aplicativos de transporte como:

UBER – https://www.uber.com/br/pt-br/

99https://99app.com/

Cabify https://cabify.com/pt-BR

Easy Táxihttp://www.easytaxi.com/br/

Com a lei seca cada vez mais rígida, os clientes optam com mais frequência em não utilizar transporte próprio para irem em bares e restaurantes.

Além disso poderá oferecer descontos e promoções em drinques não- alcoólicos para o acompanhante ou “motorista da vez”.

A inovação depende da criatividade e esta não tem limite. O empreendedor deve estar sempre atento aos anseios e expectativas dos seus clientes, procurando atendê-los e criando valor para seu negócio.

Divulgação

Divulgar um bar de forma criativa é possivelmente uma das melhores estratégias que o empresário desse setor deve adotar.

Além das estratégias de divulgação tradicionais (propagandas em rádio e TV, panfleto, cartaz e outdoor, distribuição de brindes, promotores de eventos, propagandas em jornais e revistas), as possibilidades são diversas na otimização de tempo e dinheiro, tirando o melhor proveito das estratégias de marketing disponíveis, principalmente no momento de montar um Bar.

Algumas dicas de divulgação unindo o marketing e a criatividade:

Redes Sociais

Com as pessoas online 24hs, 7 dias por semana, as redes sociais elevaram o famoso boca a boca ao nível máximo da era digital. Interagir, comentar e compartilhar publicações que tragam valor e identidade ao seu público-alvo é o novo boca a boca. Se puder, tenha um responsável pelo gerenciamento dos perfis de sua empresa para promover uma interação instantânea com seus clientes.

Segue abaixo a relação das principais redes sociais:

Facebook https://pt-br.facebook.com/

Instagram https://www.instagram.com/?hl=pt-br

LinkedIn https://br.linkedin.com/

Twitter https://twitter.com/login?lang=pt

WhatsApp https://www.whatsapp.com/

Messenger https://www.messenger.com/

YouTube https://www.youtube.com/?hl=pt&gl=BR

Pinteresthttps://br.pinterest.com/

Zele pelos seus clientes regulares

Seus clientes ajudarão a criar e determinar a reputação de seu negócio, não só nos seus ciclos de amigos, com também para aqueles pessoas com quem mantém contato.

Não meça esforço no atendimento a esses clientes e tente superar as expectativas garantindo sua fidelização.

Eles são uma ótima maneira de divulgar seu estabelecimento, já que não há nada melhor do que se sentir à vontade e vivenciar um ambiente agradável.

Interaja com seus clientes

Priorize a comunicação com os clientes insatisfeitos, apresentando soluções para seus problemas e se dispondo a conversar.

A aproximação com os clientes insatisfeitos é uma das melhores atitudes para divulgar sua empresa.

Cuide de sua equipe

Uma forma simples de cuidar de sua divulgação é cuidando de seus colaboradores.

Promovendo um ambiente de trabalho harmonioso, o engajamento de sua equipe tem grandes chances de ser maior quando o assunto for encantar seu cliente.

Planejar um momento durante o mês para conversar com os colaboradores, ouvindo a opinião deles, é uma forma de valorizar seus esforços e seu trabalho, reconhecendo que eles fazem parte do sucesso de sua empresa. Seus funcionários com certeza se tornarão divulgadores naturais do seu negócio.

Atenção aos formadores de opinião

Os formadores de opinião tiveram sua relevância destacada com a popularização das redes sociais e são figuras importantes nas estratégias de marketing de seu negócio.

Convide-os para um happy hour e solicite que ele escreva sobre a experiência para os seus seguidores. Isso pode alavancar a popularidade do seu negócio.

Outras dicas de divulgação

  • Invista na publicação de fotos do seu negócio nas suas redes sociais. Lugares agradáveis e bem freqüentados atraem os olhares do público. Invista em boas fotos e texto sucinto.
  • Vale a pena criar um evento ou divulgação do seu bar com frases de impacto e original como “Descubra o melhor happy hour da cidade”. Seja criativo e utilize imagens para chamar atenção.
  • Caso tenha um web site ou link externo, vale a pena inseri-lo nos anúncios. Um bom anúncio deverá ter uma boa imagem, texto curto e impactante e, um link, tornando-o prático e eficiente. Clientes normalmente não focam em anúncios grandes.

Informações Fiscais e Tributárias

O segmento de “Bar”, assim entendido pela CNAE/IBGE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas):

5611-2/02, atividades de servir bebidas alcoólicas, com comércio específico para bar, poderá optar pelo SIMPLES Nacional (Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas ME (Microempresas) e EPP (Empresas de Pequeno Porte)), instituído pela Lei Complementar nº 123/2006, desde que a receita bruta anual de sua atividade não ultrapasse a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais) para micro empresa R$ 3.600.000,00 (três milhões e seiscentos mil reais) para empresa de pequeno porte e respeitando os demais requisitos previstos na Lei.

Nesse regime, o empreendedor poderá recolher os seguintes tributos e contribuições, por meio de apenas um documento fiscal – o DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional), que é gerado no Portal do SIMPLES Nacional (http://www8.receita.fazenda.gov.br/SimplesNacional/):

  • IRPJ (Imposto de Renda da Pessoa Jurídica);
  • CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido);
  • PIS (Programa de Integração Social);
  • COFINS (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social);
  • ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços);
  • INSS (contribuição para a Seguridade Social relativa a parte patronal).

Conforme a Lei Complementar nº 123/2006, as alíquotas do Simples Nacional, para esse ramo de atividade, iniciam em 4% e são alteradas de acordo com o faturamento da empresa.

No caso de início de atividade no próprio ano-calendário da opção pelo Simples Nacional, para efeito de determinação da alíquota no primeiro mês de atividade, os valores de receita bruta acumulada devem ser proporcionais ao número de meses de atividade no período.

Se o Estado em que o empreendedor estiver exercendo a atividade conceder benefícios tributários para o ICMS (desde que a atividade seja tributada por esse imposto), a alíquota poderá ser reduzida conforme o caso.

Na esfera Federal poderá ocorrer redução quando se tratar de PIS e/ou COFINS.

Se a receita bruta anual não ultrapassar a R$ 81.000,00 (oitenta e um mil reais), o empreendedor, desde que não possua e não seja sócio de outra empresa, poderá optar pelo regime denominado de MEI (Microempreendedor Individual).

Para se enquadrar no MEI o CNAE de sua atividade deve constar e ser tributado conforme a tabela da Resolução CGSN nº 94/2011 – Anexo XIII (http://www.receita.fazenda.gov.br/legislacao/resolucao/2011/CGSN/Resol94.htm ).

Neste caso, os recolhimentos dos tributos e contribuições serão efetuados em valores fixos mensais conforme abaixo:

Sem empregado

5% do salário mínimo vigente – a título de contribuição previdenciária do empreendedor, e R$ 1,00 mensais de ICMS – Imposto sobre Circulação de Mercadorias;

Com um empregado

Lembrando que o MEI poderá ter apenas um empregado, desde que o salário seja de um salário mínimo ou piso da categoria.

O empreendedor recolherá mensalmente, além dos valores acima, os seguintes percentuais:

  • Retém do empregado 8% de INSS sobre a remuneração;
  • Desembolsa 3% de INSS patronal sobre a remuneração do empregado.

Havendo receita excedente ao limite permitido superior a 20% o MEI terá seu empreendimento incluído no sistema SIMPLES NACIONAL.

Para este segmento, tanto ME, EPP ou MEI, a opção pelo SIMPLES Nacional sempre será muito vantajosa sob o aspecto tributário, bem como nas facilidades de abertura do estabelecimento e para cumprimento das obrigações acessórias.

Complementares nºs 127/2007, 128/2008 e 139/2011 e Resolução CGSN – Comitê Gestor do Simples Nacional nº 94/2011.

Eventos

As representações locais da ABRASEL (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes) e os sindicatos estão sempre realizando e divulgando eventos com informações de grande importância sobre este setor e também informações importante sobre como montar um Bar.

Eventos tradicionais sobre o setor:

Congresso Nacional da ABRASEL

Evento Anual

Local: Em estados diferentes a cada ano

Site: http://www.congressoabrasel.com.br

Fispal Food Service

Evento Anual

Site: https://www.fispalfoodservice.com.br

Feira AUTOCOM – Feira Internacional de Automação para o Comércio

Evento Anual

Site: http://www.feiraautocom.com.br

Equipotel – a maior e melhor feira de hotelaria e gastronomia da América Latina

Evento Anual

Site: http://www.equipotel.com.br

Super Rio Expofood – Maior evento de profissionais dos setores de Supermercado, Panificação, Hotelaria, Franchising, Conveniência e Restaurante.

Evento Anual

Local: Rio de Janeiro

Site: http://www.superrioexpofood.com.br/

Entidades em Geral

Relação de entidades para consultas:

ABRASEL – Associação Brasileira de Bares e Restaurantes

Relação das representação nos Estados

Site: http://www.abrasel.com.br

CNC – Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo

SBN Q1 Bloco B, n.° 14, Edifício CNC – 15º ao 18º andar Brasília – DF CEP: 70041- 902

Telefone: (61) 3329-9500

Site: http://cnc.org.br

FBHA – Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação

SHN, Quadra 1, Bloco A Salas 215 a 217 Edifício Le Quartier CEP 70701-010

Telefone: (61) 3226 6556

Site: http://fbha.com.br

ASSB – Associação Brasileira de Bartenders

Rua Dr. Luis Migliano, 2050 sala 22 – São Paulo

email: assbb@terra.com.br

Site: http://www.assbb.org.br

Ministério da Saúde

Site:http://www.saude.gov.br/

Agência Nacional de Vigilancia Sanitária

Site:http://www.anvisa.gov.br/

ABRESI – Associação Brasileira de Gastronomia, Hospedagem e Turismo

Site: http://abresi.com.br

ABIA – Associação Brasileira da Industria de Alimentos

Site: https://www.abia.org.br/

ABIEPAN – Associação Brasileira das Indústrias de Equipamentos, Ingredientes e Acessórios para Alimentos

Site: http://www.abiepan.org.br/

ABIMAPI – Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados

Site: https://www.abimapi.com.br

ABIS – Associação Brasileira das Indústrias e do Setor de Sorvetes

Site: http://www.abis.com.br/

FBHA – Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação

Site: http://www.fbha.com.br/

SVB – Sociedade Vegetariana Brasileira

Site: https://www.svb.org.br/

APAN – Associação Paulista de Nutrição

Site: http://www.apanutri.com.br/

ABIH/SP- Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Estado de São Paulo

Site: http://www.abihsp.com.br/

AGAGEL – Associação Gaúcha das Indústrias de Gelados Comestíveis e Afins

Site: https://www.agagel.com.br/

APIL – Associação das Pequenas Indústrias de Laticínios do Rio Grande do Sul

Site: http://apilrs.com.br/

SINDAL – Sindicato da indústria de equipamentos, produtos e serviços para cozinhas profissionais do Estado de São Paulo

Site: http://sindal.org.br

Obs: Pesquisa na internet indicará os fornecedores de equipamentos e produtos para bares, que poderão estar localizados mais próximos ao local de instalação do negócio.

As Associações de bares e restaurantes existentes nos estados da federação também poderão auxiliar na hora de montar um Bar.

Normas Técnicas

Norma técnica é um documento, estabelecido por consenso e aprovado por um organismo reconhecido que fornece para um uso comum e repetitivo regras, diretrizes ou características para atividades ou seus resultados, visando a obtenção de um grau ótimo de ordenação em um dado contexto. (ABNT NBR ISO/IEC Guia 2).

Participam da elaboração de uma norma técnica a sociedade, em geral, representada por: fabricantes, consumidores e organismos neutros (governo, instituto de pesquisa, universidade e pessoa física).

Toda norma técnica é publicada exclusivamente pela ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas, por ser o foro único de normalização do País.

Normas específicas para montar um Bar

ABNT NBR 14230:2012 – Alumínio e suas ligas – Embalagens descartáveis para alimentos – Pratos redondos números 4, 6, 7, 8 e 9.

Esta Norma especifica os requisitos para as embalagens descartáveis para alimentos do tipo prato redondo números 4, 6, 7, 8 e 9.

ABNT NBR 15074:2004 – Alumínio e suas ligas – Bandejas descartáveis para alimentos.

Esta Norma fixa os requisitos exigíveis para bandejas descartáveis para alimentos produzidas com folhas de alumínio e suas ligas.

ABNT NBR 15635:2008 – Serviços de alimentação – Requisitos de boas práticas higiênico-sanitárias e controles operacionais essenciais.

Esta Norma especifica os requisitos de boas práticas e dos controles operacionais essenciais a serem seguidos por estabelecimentos que desejam comprovar e documentar que produzem alimentos em condições higiênico sanitárias adequadas para o consumo.

ABNT NBR ISO 22000:2006 Versão Corrigida:2006 – Sistemas de gestão da segurança de alimentos – Requisitos para qualquer organização na cadeia produtiva de alimentos

Esta Norma especifica requisitos para o sistema de gestão da segurança de alimentos, onde uma organização na cadeia produtiva de alimentos precisa demonstrar sua habilidade em controlar os perigos, a fim de garantir que o alimento está seguro no momento do consumo humano.

Normas aplicáveis na execução de um Bar

ABNT NBR 14518:2000 – Sistemas de ventilação para cozinhas profissionais.

Esta Norma estabelece os princípios gerais para projeto, instalação, operação e manutenção de sistemas de ventilação para cozinhas profissionais, com ênfase na segurança contra incêndio e no controle ambiental.

ABNT NBR ISO 23953-2:2009 – Expositores refrigerados – Parte 2: Classificação, requisitos e condições de ensaio.

Esta parte da ABNT NBR ISO 23953 estipula os requisitos para a construção, as características e o desempenho de expositores frigoríficos utilizados na venda e exposição de produtos alimentícios. Estipula ainda as condições de ensaio e os métodos para verificar o cumprimento dos requisitos, assim como a classificação dos expositores, a etiquetagem e a lista das características a serem informadas pelo fabricante. Não é aplicável a máquinas frigoríficas de auto-serviço (refrigerated vending machines) ou destinadas ao uso em serviços de bufê ou em aplicações outras que no comércio varejista. Não trata tampouco da decisão quanto à escolha do tipo de produtos alimentícios a serem mantidos nos expositores.

ABNT NBR 15526:2012 – Redes de distribuição interna para gases combustíveis em instalações residenciais e comerciais – Projeto e execução.

Esta Norma estabelece os requisitos mínimos exigíveis para o projeto e a execução de redes de distribuição interna para gases combustíveis em instalações residenciais e comerciais que não excedam a pressão de operação de 150 kPa (1,53 kgf/cm2) e que possam ser abastecidas tanto por canalização de rua (conforme ABNT NBR 12712 e ABNT NBR 14461) como por uma central de gás (conforme ABNT NBR 13523 ou outra norma aplicável), sendo o gás conduzido até os pontos de utilização através de um sistema de tubulações.

ABNT NBR 15842:2010 – Qualidade de serviço para pequeno comércio – Requisitos gerais.

Esta Norma estabelece os requisitos de qualidade para as atividades de venda e serviços adicionais nos estabelecimentos de pequeno comércio, que permitam satisfazer as expectativas do cliente.

ABNT NBR 12693:2010 – Sistemas de proteção por extintores de incêndio.

Esta Norma estabelece os requisitos exigíveis para projeto, seleção e instalação de extintores de incêndio portáteis e sobre rodas, em edificações e áreas de risco, para combate a princípio de incêndio.

ABNT NBR 5626:1998 – Instalação predial de água fria.

Esta Norma estabelece exigências e recomendações relativas ao projeto, execução e manutenção da instalação predial de água fria. As exigências e recomendações aqui estabelecidas emanam fundamentalmente do respeito aos princípios de bom desempenho da instalação e da garantia de potabilidade da água no caso de instalação de água potável.

ABNT NBR 5410:2004 Versão Corrigida: 2008 – Instalações elétricas de baixa tensão.

Esta Norma estabelece as condições a que devem satisfazer as instalações elétricas de baixa tensão, a fim de garantir a segurança de pessoas e animais, o funcionamento adequado da instalação e a conservação dos bens.

ABNT NBR ISO/CIE 8995-1:2013 – Iluminação de ambientes de trabalho – Parte 1: Interior.

Esta Norma especifica os requisitos de iluminação para locais de trabalho internos e os requisitos para que as pessoas desempenhem tarefas visuais de maneira eficiente, com conforto e segurança durante todo o período de trabalho.

ABNT NBR IEC 60839-1-1:2010 – Sistemas de alarme – Parte 1: Requisitos gerais – Seção 1: Geral.

Esta Norma especifica os requisitos gerais para o projeto, instalação, comissionamento (controle após instalação), operação, ensaio de manutenção e registros de sistemas de alarme manual e automático empregados para a proteção de pessoas, de propriedade e do ambiente.

ABNT NBR 9050:2004 Versão Corrigida: 2005 – Acessibilidades a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos.

Esta Norma estabelece critérios e parâmetros técnicos a serem observados quando do projeto de montar um Bar, como a construção, instalação e adaptação de edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos às condições de acessibilidade.

Dicas de Negócio

Dimensionar o conjunto de serviços que serão agregados é importante para se tornar mais competitivo,e avaliar o custo/benefício desses serviços é vital para a sobrevivência. Seguem algumas dicas para um bar:

Investir na qualidade do atendimento ao cliente, ou seja: qualidade do serviço, ambiente agradável, profissionais atenciosos, respeitosos e interessados pelo cliente.

Tenha identidade visual e crie um bar com características próprias. A imagem é essencial para ser fixado na memória do cliente.

Oferecer comodidades adicionais tais como: estacionamento, manobristas, ar condicionado, música ao vivo ou ambiente .

Procurar fidelizar a clientela com ações de pós-venda, como: remessa de cartões de aniversário, comunicação de novos serviços e novos produtos ofertados, contato telefônico, lembrando de eventos e promoções.

A presença do proprietário em tempo integral é fundamental neste setor para o sucesso do empreendimento, principalmente para montar um Bar, porém é interessante orientar pelo menos uma pessoa da equipe e dar autonomia para que o proprietário não fique sobrecarregado.

O empreendedor deve estar sintonizado com as mudanças de hábitos e costumes na sua região, pois esse é um negócio que requer inovação e adaptação constantes.

Monte seu time com treinamento técnico e pessoas dispostas a vestir a camisa da empresa. Eles serão a extensão de tudo o que bar oferecer ao cliente. O treinamento da equipe deverá ser conforme a proposta do ambiente. A capacitação deverá ser adequada para aprimorar técnicas de vendas, e foco em postura e relacionamento com o cliente.

Deve-se ter cuidados especiais com bebidas, desde o armazenamento até a temperatura em que devem ser servidas.

O cardápio é um elemento fundamental para o sucesso do empreendimento, a sua montagem antecede até mesmo às instalações da cozinha.

O cardápio deve ser pensado para oferecer produtos certos para a demanda de cada local, de cada tipo de cliente, de cada dirá e de cada horário.

Está se tornando uma tendência cada vez maior dos bares oferecerem também refeições.

A carta de bebidas deve ser bem elaborada, levando em consideração os preços das bebidas e o nível de sofisticação dos coquetéis a serem oferecidos para montar um Bar.

Otimize a rotina do seu bar. Busque software de gestão de otimização de processos, como agilidade nos pedidos e administração das contas dos clientes.

Não se esqueça da administração e gestão do caixa. Seu acompanhamento e controle é fundamental para o sucesso do empreendimento.

Conter custos exageradamente, pode não ser tão inteligente, pois pode acabar comprometendo a qualidade dos produtos. Ou mesmo abaixar muito os preços para garantir o retorno do cliente. Esse tipo de estratégia deverá ser muito bem estudado.

Tome cuidado com tendências para montar um Bar. A princípio elas podem ser muito rentáveis, mas é preciso considerar que quando elas surgem também haverão outros competidores.

Pense sempre no que fazer quando a moda passar.

Saiba que é seu concorrente e qual é o diferencial dele.

E por último, identifique qual o seu diferencial e trabalhe para dar destaque à ele.

Características

Antes mesmo do empreendedor abrir seu bar, deve analisar se esse é o negócio ideal para ele e se questionar se é realmente o tipo de pessoa que quer possuir e gerir um bar.

Montar um bar requer dedicação e comprometimento, como todo negócio. Porém, algumas características são primordiais para a gestão desse negócio:

  • O empreendedor precisa conhecer o negócio a fundo, ou seja, se não possuir experiência, deve investir nesse tipo de conhecimento (atendimento, alimentos e bebidas, estrutura e funcionamento de um bar);
  • Se o empreendedor gosta de se comunicar, é paciente, tem espírito de liderança, tem disponibilidade total para o negócio, ser dono de um bar é uma ótima opção de investimento;
  • Ser empreendedor com visão prospectiva, atuando com antecipação de tendências, ter visão de futuro no que tange o interesse e expectativa de mercado e dos consumidores, além de estar sempre antenado com as inovações tecnológicas e de mercado;
  • Se é o tipo de pessoa que prefere lidar com rotinas de escritório, trabalhando na maioria das vezes sozinho, montar um bar talvez não seja o melhor negócio. Ser bom em relacionamentos é importante nesse segmento;
  • Ser humilde o suficiente para entender que trabalhar com atendimento de público heterogêneo, apesar de ser uma operação que se torna repetitiva, não significa ter um empreendimento de sucesso por si só;
  • O empresário de um bar tem que ser uma pessoa extremamente criativa, sempre com capacidade de criar formas inovadoras de atendimento e comercialização, tendo como foco e objetivo de estar sempre a frente de seus concorrentes.

Além dessas características, é necessário levar em consideração no momento de montar um Bar, o compromisso de tempo e horário que o funcionamento de um bar demanda.

Esse tipo de empreendimento requer muitas vezes abrir mão de horários regulares e disposição para trabalhar em horários noturnos.

Importante verificar se o negócio, ou seja, montar um Bar, se enquadra em seu estilo de vida.

Outro ponto importante é ressaltar que possuir as características indicadas acima são apenas direcionamentos, o que não significa que um empreendedor que não possua todas estas características tenha que desistir de investir nesse novo negócio.

O aprendizado, parcerias e sociedades podem ser meios para a obtenção das competências necessárias para o sucesso do empreendimento.

Planejamento Financeiro

O acesso cada vez mais facilitado a informações, tanto dentro quanto fora das empresas, tem possibilitado uma administração mais criteriosa e apurada por parte das MPEs.

No entanto, o planejamento para montar um Bar, o que pode ser observado é que grande parte destas empresas continuam mantendo uma visão imediatista e centralizadora nas questões relativas a gestão. Os reflexos deste comportamento são inadimplência e elevação dos custos operacionais.

Os controles financeiros quando praticados de forma eficiente disponibilizam aos gestores informações necessárias ao planejamento e a tomada de decisão.

Um bom orçamento de caixa considera previsões de vendas, compras, despesas e investimentos para períodos futuros.

O principal ponto do orçamento de caixa é a previsão das vendas. Estas projeções são realizadas a partir da análise de informações referentes ao histórico de períodos anteriores, projeções de crescimento da economia, expectativa de investimentos, objetivos e metas estratégicos, capacidade produtiva da empresa e sazonalidade para montar um Bar.

A partir das previsões de vendas, estimam-se os custos e despesas variáveis (que variam proporcionalmente ao volume de vendas) como impostos e comissões e os pagamentos aos fornecedores de matérias-primas.

É importante que o empreendedor esteja atento aos prazos de pagamento e recebimento e para lançar as entradas e saídas de caixa no período correto. Também é importante estar atento às despesas fixas como telefone, energia, aluguel, água, funcionários, encargos etc.

Esta visão do futuro auxilia o processo de tomada de decisão por oferecer informações sobre a geração de caixa da atividade, proporcionando reflexões sobre a viabilidade de investimentos e possíveis “furos de caixa” (descasamento entre entradas e saídas de caixa).

A comparação do que foi planejado com o que está ocorrendo periodicamente é uma ferramenta de análise de desempenho importante.